Ano: 2015

Visualização de informação para divulgação científica: uma metodologia

Tipo: Artigo
Ano: 2015

A ampliação da divulgação científica é algo estrategicamente desejável no Brasil e o design de informação apresenta-se como um colaborador importante, apesar da carência de estudos acadêmicos sobre as relações entre ambas. Nesse artigo abordamos a criação de um método para o design de visualização de informação voltado para a divulgação científica e que vem sendo aplicado em sala de aula ao longo dos últimos quatro anos no curso de Comunicação Visual Design da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Os trabalhos produzidos pelos alunos consistiram em infografias animadas de aproximadamente um minuto abordando temas científicos complexos e foram produzidos com a participação direta de professores-cientistas. Os resultados apontam evidencias positivas na utilização do método utilizado, sugerindo um caminho significativo para o seu emprego na prática profissional.

Autores:

Doris Kosminsky

A arte como refúgio poético ante a vertigem do tempo 24/7

Tipo: Artigo
Ano: 2015

As novas mídias digitais, presença ubíqua no capitalismo do século XXI, criaram o mundo da vida ininterrupta, do fluxo contínuo 24/7 preenchido por atividades e operações incessantes e, muitas das vezes, automáticas. A qualquer hora do dia ou da noite se produz e se consome informação. É na contramão desse mundo sem pausa, das novidades que surgem e desaparecem em velocidade vertiginosa e das relações e emoções cada vez mais efêmeras, que diversos artistas têm buscado criar obras que enfatizem formas de percepção mais lentas e meditativas. É esse o pano de fundo da exposição Days of Endless Time, apresentada entre os dias 16 de outubro de 2014 e 12 de abril de 2015 no Smithsonian Hirshhorn Museum and Sculpture Garden, localizado em Washington D.C., onde doze artistas e um coletivo propõem diferentes estratégias para ensejar um refugio poético ante a vertigem do tempo. São quatorze instalações, com obras em vídeo e mídias digitais que, embora utilizem-se da mesma tecnologia que materializa a aceleração temporal, conduzem ao espaço atemporal de uma pausa flutuante.

Autores:

Doris Kosminsky

Bill Viola

Bill Viola no Grand Palais – resenha

Tipo: Artigo
Ano: 2014

Vinte obras do artista norte-americano Bill Viola, produzidas entre 1977 e 2013, foram exibidas em Paris, no Grand Palais. Nessa mostra, o pioneiro da videoarte apresentou uma jornada introspectiva guiada por três questões metafísicas: Quem sou? Onde estou? Para onde vou? Explorando temas que envolvem transcendência, vida e morte, e, principalmente, a passagem e os ciclos do tempo, o artista não se propõe a encontrar respostas para essas questões. Pretende apenas nos aproximar das experiências a que elas conduzem. Filme e vídeo, monitores e projeções, água, fogo, atores e atrizes compõem uma pintura em movimento em que as novas tecnologias digitais fazem referência a trabalhos de antigos mestres, como Giotto, Bosch e Goya.

Autores:

Doris Kosminsky

Palavras chave: ,

Corporeal interval: sensory indeterminacy as the poetic bloom of interactive art

Tipo: Artigo
Ano: 2013

Artigo publicado nos anais de Re-new, apresentado em Copenhague, Dinamarca em 2013. (somente inglês)

A interatividade adiciona um novo nível sensorial à arte. A implementação do sistema sensorial artificial pode realçar o que antes foi discutido como um atributo natural humano, a indeterminação. Neste artigo, vamos discutir como a indeterminação inerente a cada um dos elementos constitutivos da experiência estética é um fator essencial no desenvolvimento da poética da arte interativa. Para este fim, os pensamentos de Henri Bergson do corpo humano como centro de indeterminação estão relacionados com a margem de indeterminação da máquina discutida por Gilbert Simondon. Inserida em uma pesquisa teórico-prática, esta reflexão repercute na conceituação de Em3, uma instalação interativa que ajuda a compreensão das idéias desenvolvidas ao longo do texto. Finalmente, a indeterminação da artista, obras de arte e observador vão delinear individual e coletivamente o conceito de intervalo corpóreo.

Autores:

Barbara Castro, Doris Kosminsky, Luiz Velho

Palavras chave:

Ano da publicação